Indústria de consultoria na Europa no rescaldo da guerra na Ucrânia

24 de janeiro de 2023

A guerra na Ucrânia é uma fonte contínua de perturbação além da crise imediata, tanto em termos de vidas humanas quanto no mercado global. A devastação está chegando longe do território contestado, enquanto os mercados lidam com a geopolítica e uma possível desaceleração econômica.

É difícil determinar que tipo de efeitos de longo prazo esse conflito pode ter, mas já surgiram certas tendências que sugerem um aumento na demanda por serviços de consultoria em todas as principais linhas de serviço.

Em nosso mundo pós-pandêmico, a estabilidade se tornou um mito. As empresas devem estar preparadas para as incertezas o tempo todo e evoluir constantemente para se manterem relevantes em meio às condições de mercado em rápida mudança. E tudo isso tem que ser feito, tendo em mente a sustentabilidade ambiental. Nessa situação, a consultoria desempenhará um papel crítico ao lidar com esses fatores disruptivos.

Disrupções que mudam o mundo influenciariam o planejamento de cenários de todas as organizações

A eclosão da guerra na Ucrânia já perturbou o mundo, remodelando indústrias e economias. Quanto mais tempo durasse, mais complicada a situação se tornaria. À medida que as economias mudam e vários setores ficam sob pressão, as empresas podem buscar consultoria mais do que nunca para obter soluções holísticas que cruzam os domínios de negócios, navegam em infraestruturas geopolíticas complexas, mitigam um cenário de risco volátil e muito mais.

Para permanecerem competitivas nesta nova era de volatilidade, as organizações precisariam de consultoria para inovar, implementar estratégias ágeis centradas no cliente, investir recursos em tecnologias voltadas para o futuro e ajustar sua abordagem principal à solução de problemas.

A necessidade de conhecimento especializado e experiência global nas organizações de consultoria seria fundamental para navegar nessas disrupções e avançar na agenda estratégica.

Então, quais são essas interrupções? Vamos dar uma olhada!

#1. Grande Crise Humanitária

A guerra na Ucrânia causou grandes transtornos em todo o mundo da consultoria, pois a crise humanitária alterou drasticamente a forma como os consultores interagem com os clientes. O conflito forçou algumas empresas a repensar suas estratégias ao se envolver com as pessoas afetadas pela crise, enquanto outras tiveram que trabalhar incansavelmente para garantir que sua presença na região permaneça oportuna e útil.

Para se manterem competitivas neste campo, é essencial que as empresas de consultoria sejam capazes de se adaptar rapidamente e sintonizar as necessidades daqueles que sofrem deslocamentos ou outros problemas causados pela agitação política.

Como tal, muitos adotaram abordagens mais inovadoras para trabalhar em nações frágeis e monitorar de perto as tendências que podem afetar as linhas de abastecimento ou outras infraestruturas no terreno necessárias para compromissos bem-sucedidos com clientes.

Embora estes sejam tempos difíceis para aqueles que vivem e trabalham na Ucrânia, é inspirador testemunhar a agilidade e resiliência das empresas de consultoria à medida que se levantam para enfrentar esses desafios de frente e lutar por um futuro melhor para todos.

#2. Sustento de várias indústrias sob ameaça

A guerra na Ucrânia causou mais do que apenas agitação política - mudou drasticamente a indústria global de consultoria e colocar em causa o sustento de várias indústrias.

Esta disrupção afetou particularmente as empresas cujos clientes provêm de economias instáveis e vulneráveis, levando a graves deficiências na sua estrutura. Como resultado, os consultores que investiram pesadamente em trabalhar com clientes desses países agora estão sofrendo o peso de suas perdas.

Para restabelecer a confiança de seus clientes e fortalecer ainda mais seu relacionamento, os consultores devem trabalhar arduamente para criar um ambiente seguro para os negócios.

É essencial que as empresas reconheçam a gravidade dessa situação antes que qualquer progresso significativo possa ser feito para restaurar a estabilidade no setor de consultoria.

#3. Interrupção no Sistema Global de Produção de Alimentos

A escalada do conflito entre a Ucrânia e a Rússia causou repercussões em todo o sistema global de produção de alimentos, que se estendeu das fazendas às mesas de jantar. As indústrias de ambos os países estão sobrecarregadas, resultando em um terço das exportações mundiais de amônia e potássio fora do ar ou indo na direção errada.

Junte isso com a Ucrânia e a Rússia fornecendo quase um terço do total das exportações globais de trigo e cevada, dois terços das exportações de óleo de semente de girassol e um sexto dos suprimentos de milho – ficou claro que há uma aparente falta de ingredientes alimentares essenciais na maior parte do o mundo.

No entanto, os governos estão agora implementando vários programas para neutralizar essa interrupção, como direcionar mais suprimentos para as regiões mais afetadas, aumentar a produção local com esquemas de incentivos, subsidiar os consumidores e impor controles de preços quando necessário.

#4. Valor da Resiliência no Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

A invasão russa da Ucrânia destacou o valor da resiliência na gestão da cadeia de suprimentos. Mesmo antes disso, os gerentes começaram a desviar seu foco da maximização da eficiência e, em vez disso, fizeram os preparativos em caso de emergência.

O conflito tornou ainda mais urgente a busca por fontes alternativas de abastecimento, já que as matérias-primas podem ficar cada vez mais concentradas devido a esse ambiente hostil. Para se manterem competitivas e evitar possíveis interrupções, as empresas devem repensar suas estruturas de fornecedores e criar uma rede confiável de fornecedores que possam lidar com o nível mais alto de demanda.

Isso não significa perder eficiência; em vez disso, representa uma oportunidade para as empresas aprimorarem seus processos e torná-los mais robustos do que nunca. Além disso, a guerra na Ucrânia é mais um desafio que leva os líderes a reconfigurar suas cadeias de suprimentos e se preparar para a incerteza.

Interrupções que mudam o mundo devido à guerra na Ucrânia

#5. Separação em Padrões Globais de Tecnologia

Com a expansão da tecnologia digital, muitos países se viram envolvidos em uma batalha em constante evolução para proteger seus cidadãos de conteúdo não monitorado. Mesmo antes da guerra, vários países tentaram levar a censura online a um novo nível, limitando o que os indivíduos podem ver e acessar por meio de seus dispositivos conectados.

Para tornar a competição ainda mais rigorosa, diferentes nações buscaram maneiras de promover padrões de hardware escolhidos ou substituir regulamentações de protocolo impostas por partes opostas. Do universo das telecomunicações à vastidão do ciberespaço, as tensões geopolíticas só se intensificaram à medida que o mundo avançava num caminho de diversificação tecnológica.

Além disso, após o surgimento de conflitos estrangeiros, as fronteiras tornaram-se ainda mais pronunciadas, pois alguns países estabeleceram limitações financeiras, enquanto as corporações ocidentais simultaneamente cortaram relações com a Rússia.

Como tal, essa exclusão considerável o distinguiu de fazer parte da cadeia de valor global de alta tecnologia, destacando assim o quão distantes muitos países permanecem em termos de disposição e aprovação de políticas relacionadas à tecnologia digital.

#6. Efeitos sobre o sistema financeiro são incertos

Apesar do choque inicial que os mercados experimentaram, parece que o impacto direto da guerra no sistema financeiro é bastante limitado. As instituições financeiras estão bastante capitalizadas e, portanto, aptas a enfrentar eventuais perdas no curto prazo. Embora isso possa fornecer algum alívio, problemas maiores ainda podem surgir de vários efeitos em cascata decorrentes do conflito.

A instabilidade nos países emergentes, mais problemas de financiamento no setor imobiliário da China, interrupções no processamento de pagamentos e um maior risco de inadimplência no crédito bancário paralelo apresentam novos riscos para os preços dos ativos que os bancos e outros participantes do sistema financeiro agora são forçados a enfrentar. .

Como esses problemas são resolvidos permanece incerto por enquanto; no entanto, é claro que essas ameaças não podem ser negligenciadas no futuro.

#7. Aumento de ataques cibernéticos

Os ataques cibernéticos estão se tornando uma questão cada vez mais importante para as sociedades em todo o mundo, pois a infraestrutura é cada vez mais visada. De acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, dez ataques cibernéticos significativos ocorrem em média a cada mês.

Exemplos recentes dessa atividade prejudicial incluem ataques de ransomware em sistemas de energia ucranianos, que resultaram em tempo de inatividade e na invasão de sites públicos pertencentes a ministérios do governo russo. Obviamente, também há implicações mais amplas para essas violações, dependendo da extensão em que o malware mal-intencionado se espalha além de seu alvo original.

À medida que as tensões relacionadas à guerra cibernética aumentam, empresas e governos tomaram medidas para se proteger de ataques futuros, tomando medidas para garantir que suas redes digitais permaneçam seguras e protegidas de mais danos.

#8. Volatilidade econômica

A guerra causou volatilidade econômica em um nível nunca visto antes da pandemia. Isso não é surpresa, com o índice de volatilidade dos EUA (VIX) e o índice de incerteza da política econômica (EPU) em alta.

Embora tal evento durante a guerra seja aparentemente incomum, pesquisas anteriores revelaram que isso era esperado devido ao aumento dos gastos do governo; tornando os lucros mais previsíveis em certas áreas.

Mas esta guerra em particular pode ter efeitos mais danosos ainda a serem vistos devido à sua força sobre as fontes e preços de energia; o que poderia ser potencialmente perturbador para muitos setores em todo o mundo. Parece que os impactos gerais desta guerra estão longe de terminar.

Áreas que precisam de mais foco como resultado da guerra

O foco é de extrema importância, especialmente em situações difíceis de prever. Mesmo que cada organização tenha suas próprias prioridades, achamos que há algumas coisas importantes para focar em relação à guerra na Ucrânia. Então, vamos dar uma olhada nessas áreas que precisam de mais foco com um pouco mais de detalhes.

#A. Aumentar e Simplificar o Planejamento de Cenários

Como a Guerra da Ucrânia continua afetando famílias e causando destruição, há algumas áreas que requerem mais atenção. O planejamento do cenário precisa ser expandido e simplificado para entender melhor como o conflito está afetando as pessoas em toda a região.

Ao compreender esses impactos, podemos desenvolver estratégias que ajudam a fortalecer as comunidades, ajudar os afetados pela violência e apoiar a estabilização a longo prazo. Muitas vezes, o planejamento pode descobrir soluções antes mesmo de se tornarem um problema – ajudando ambos os lados a encontrar soluções mais pacíficas mais cedo ou mais tarde neste conflito em andamento.

#B. Avaliação e Modificação de Riscos Operacionais

A Guerra da Ucrânia fez com que muitos países reavaliassem seus próprios protocolos de segurança para garantir que fossem capazes de responder efetivamente a conflitos semelhantes. Portanto, é essencial que os governos e seus departamentos se concentrem na avaliação e modificação de seus riscos operacionais, tanto para as operações existentes quanto para as futuras.

Eles podem fazer isso examinando eventos anteriores, pesquisando as tendências predominantes na guerra, reunindo informações aprimoradas e garantindo que recursos adequados estejam disponíveis ao se preparar para possíveis engajamentos militares. Ao tomar as medidas necessárias agora, os países podem ter mais confiança de que estão bem equipados para lidar com qualquer possibilidade de guerra futura.

Áreas que precisam de mais foco devido à guerra na Ucrânia

#C. Medidas de controle de custos

A Guerra da Ucrânia causou tremendas perturbações e perdas na vida de muitas pessoas, exigindo foco e atenção extra em certas áreas para que soluções eficazes sejam encontradas. Uma dessas áreas que requer mais foco são as medidas de controle de custos; por exemplo, práticas mais rígidas de gerenciamento de gastos e melhores procedimentos orçamentários precisam ser implementadas para reduzir o risco associado às ondas de gastos decorrentes de uma guerra prolongada.

Maiores esforços e apoio também devem ser direcionados para encontrar maneiras de reduzir o uso de recursos financeiros e, ao mesmo tempo, prestar assistência às pessoas afetadas pelo conflito. Com estratégias de gestão apropriadas e um orçamento de longo prazo cuidadoso, essas medidas de controle de custos podem ajudar a trazer maior estabilidade fiscal em tempos de guerra – criando, em última análise, uma economia mais saudável quando a paz for restaurada.

#D. Avaliar e executar decisões de desinvestimento

A Guerra da Ucrânia levantou muitas questões difíceis sobre como nós, como sociedade, devemos seguir em frente, especialmente quando se trata de decisões de desinvestimento. A fim de atenuar as consequências deste conflito prolongado e muitas vezes sangrento, é essencial que tais decisões sejam avaliadas com precisão e implementadas em tempo hábil.

Isso permitirá disposições específicas, como ajuda humanitária, um cessar-fogo forçado ou pacotes de estímulo econômico que podem ser cruciais para trazer estabilidade duradoura à região. A tomada de decisão precipitada pode levar a respostas inadequadas e pode até piorar a situação no terreno.

Agora, mais do que nunca, é hora de se concentrar em garantir que decisões sólidas sejam tomadas com benefícios de longo prazo em mente, para que cada ação tomada de forma decisiva ajude a construir o progresso sem recair em mais violência.

O que as empresas precisam para lidar com essas incertezas

A guerra em andamento na Ucrânia tem sido uma grande fonte de incerteza para a economia e os negócios globais há algum tempo. Os analistas econômicos previram uma variedade de cenários e diferentes níveis de impacto que terá no curto prazo, com pelo menos três previsões para os próximos anos.

Com as tensões continuando a aumentar na região e os acordos comerciais deixados no ar, empresas de todo o mundo estão lutando para planejar com antecedência ou fazer qualquer tipo de previsão confiável enquanto se preparam para o que o futuro reserva.

A dinâmica mais preocupante envolve o alinhamento de políticas entre a Rússia, a Ucrânia e outros países em questões como livre comércio, proteção ambiental e mercados financeiros internacionais – todos fatores que poderiam colocar economias vulneráveis sob pressão.

À medida que esse conflito continua a se desenrolar, ainda não se sabe o quanto isso será uma interrupção para as empresas que operam internacionalmente em termos de custos e lucros.

Então, a questão é: o que as empresas precisam para lidar com essas incertezas? Vamos descobrir!

#1. Impacto regulado

As sanções podem ter sido uma parte necessária da resolução de conflitos a curto prazo, mas a sua eficácia como solução a longo prazo é limitada. Felizmente, quando se trata de negociar uma trégua e evitar uma nova escalada, as sanções podem ser reduzidas, eliminando assim futuras interrupções no fornecimento.

Esse alívio foi refletido pelos mercados onde os preços das commodities voltaram aos níveis anteriores à guerra e a confiança nas empresas e nos consumidores aumentou proporcionalmente.

Como resultado, as pessoas sentem-se capazes de voltar a investir e gastar dinheiro como faziam antes do início da guerra – um importante sinal de esperança para o futuro da economia.

#2. Impacto Contínuo

O abastecimento de bens essenciais tem sido significativamente interrompido em 2022 devido a um embargo de petróleo e gás. Como resultado, os preços dispararam, forçando os consumidores a reduzir alguns itens não essenciais, enquanto as empresas se esforçam para aumentar sua eficiência operacional.

Espera-se que essa interrupção continue, pois o embargo limita o acesso de commodities importantes a apenas alguns países selecionados. O efeito combinado de preços altos e recursos limitados pode levar a dificuldades econômicas para as regiões que utilizam essas commodities; no entanto, a longo prazo, isso pode levar a medidas de redução de custos e inovações que, de outra forma, não teriam ocorrido.

As tendências do mercado de consultoria pós-invasão que os compradores de consultoria precisam considerar para determinar os melhores serviços de consultoria para atender às suas necessidades

O mercado europeu de consultoria tem sido tradicionalmente um setor competitivo, caracterizado por várias grandes empresas tradicionais e algumas pequenas competindo por negócios. A base da maioria dessas empresas é geralmente em países como Reino Unido, França, Espanha, Alemanha e Itália.

Em muitos casos, os clientes selecionarão uma dessas empresas maiores para ajudá-los em suas necessidades simplesmente com base no tamanho e no destaque de seu nome, apesar de outras empresas de consultoria oferecerem serviços mais personalizados e granulares a preços competitivos.

Dito isto, estes grandes empresas de consultoria conquistaram sua posição devido a anos de sucesso na prestação de consultoria e serviços de qualidade para empresas europeias. Eles representam uma importante fonte de experiência e especialização dentro do espaço e continuam a desempenhar um papel integral no fornecimento de suporte, estratégias e percepções às empresas até mesmo nos problemas mais complexos que possam enfrentar.

Após a invasão russa da Ucrânia, no entanto, os compradores de consultoria na Europa precisam considerar uma série de fatores.

Primeiro, eles precisarão considerar o impacto em seus mercados locais e a melhor forma de responder a quaisquer mudanças na demanda. Pode ser necessário mudar sua abordagem estratégica e passar a oferecer soluções mais especializadas se suas ofertas atuais não forem adequadas às necessidades dos clientes.

Em segundo lugar, os compradores devem revisar o cenário geopolítico para avaliar se há surgimento de novas ameaças ou oportunidades que exigiriam abordagens diferentes. Eles devem monitorar os desenvolvimentos em sua região e levar em consideração possíveis ramificações econômicas, como sanções ou flutuações cambiais que possam afetar seu ambiente operacional.

Em terceiro lugar, os compradores devem prestar atenção a quaisquer mudanças nas preferências e comportamentos dos clientes devido à interrupção causada pela guerra.

Em consideração a esses fatores, os compradores de consultoria na Europa podem ter que ajustar sua abordagem de acordo e permanecer competitivos em um cenário global em rápida mudança. Os cenários mencionados acima podem levar os clientes a buscar soluções específicas adaptadas às suas necessidades – levando os compradores a se concentrar em consultorias menores com serviços mais especializados, em oposição a consultorias maiores que oferecem serviços amplos em vários setores.

Por fim, eles devem estar cientes das implicações legais e garantir que estejam trabalhando de acordo com quaisquer novos regulamentos ou leis estabelecidos por órgãos governamentais regionais em resposta à invasão.

O formato dos negócios nas regiões DACH

Nos últimos anos, o mercado de consultoria na Europa vem mudando drasticamente. Com o aumento da tecnologia e outras disrupções, o centro de gravidade na Europa mudou dos mercados tradicionais, como a Inglaterra, para os países DACH — Alemanha, Áustria e Suíça.

A pesquisa mostra que esses países têm algumas das maiores taxas de crescimento em termos de transformação digital e estão se tornando locais muito procurados por empresas de consultoria. Eles não apenas oferecem economias de custo substanciais em comparação com outros mercados europeus, mas também têm um forte banco de talentos para as empresas aproveitarem.

As empresas procuram cada vez mais os países DACH em busca de soluções inovadoras para seus desafios de negócios, o que impulsiona ainda mais o crescimento desse setor. À medida que o setor de consultoria continua a evoluir, a região DACH parece destinada a permanecer um centro importante por muitos anos.

Apesar do fato de que os mercados alemão, austríaco e suíço compartilham muitas características em comum, cada um desses mercados está se desenvolvendo em seu próprio ritmo. Continue lendo para saber mais informações sobre isso!

#1. Alemanha

O mercado alemão é uma potência da indústria europeia. É um dos maiores mercados da Europa, representando 4.54% da economia global, tornando-o especialmente atraente para empresas que buscam atingir um público amplo.

Além disso, o Reino Unido e a França não podem competir com o tamanho e o alcance da Alemanha no mundo dos negócios – a Alemanha, sem dúvida, lidera o ataque em termos de crescimento na Europa como um todo.

Isso o torna um ambiente ideal para o desenvolvimento de estratégias de negócios que podem causar um impacto significativo devido à grande população e riqueza da Alemanha.

#2. Áustria

O mercado austríaco tem sido impulsionado por forças globais, como o aumento do comércio internacional e a crescente concorrência por serviços digitais, que resultaram na realocação de muitos provedores de serviços para este país da Europa Central.

A Áustria também fez progressos em termos de construção de sua infraestrutura financeira e tecnológica e de melhores incentivos para as empresas operarem lá. Consequentemente, agora pode oferecer acesso a expertise e conhecimento confiáveis a custos competitivos, o que o torna cada vez mais atraente para empresas de consultoria.

No geral, espera-se que as mudanças que estão ocorrendo no mercado de consultoria europeu resultantes dessa mudança para a Áustria sejam profundas e duradouras – sugerindo que o país provavelmente se tornará uma parte importante do cenário de negócios da Europa no futuro.

#3. Suíça

A Suíça é um exemplo incrível de pequenos países fazendo grandes ondas. Apesar de ser uma das menores nações europeias, a Suíça tem orgulhosamente afirmado sua presença no cenário empresarial da região.

Com a participação nas vendas suíças atingindo 1,6%, sua influência econômica é clara e continua sendo um player poderoso hoje. Ao contrário da maioria dos países membros da UE, a Suíça não faz parte da União Europeia nem do Espaço Econômico Europeu – ela continua sendo um estado independente e ainda consegue deixar sua marca na região. É um testemunho convincente da engenhosidade, ambição e empreendimento deste país!

Pensamento adicional

Em tempos de crise (como a guerra na Ucrânia), as empresas precisam ser especialmente cautelosas com seus investimentos para garantir um futuro de sucesso. É por isso que nossa série de 6 partes sobre como otimizar o ROI de consultoria é incrivelmente valiosa – é um excelente ponto de partida para garantir que suas empresas estejam utilizando estratégias e fundamentos eficazes.

Além disso, também temos um novo aplicativo, melhorar, o que pode levar a eficiência do seu negócio para o próximo nível – equipando você com insights orientados por dados e diferentes níveis de otimização de desempenho. Mas o mais importante primeiro - certifique-se de usar nossos recursos e soluções para o sucesso do seu negócio agora e nos próximos anos durante esses tempos difíceis!

Load More

Helene Laffitte

Hélène Laffitte é CEO da Consulting Quest, uma plataforma global de consultoria focada em performance. Com uma combinação de experiência em Procurement e Consultoria, Hélène é apaixonada por ajudar empresas a criar mais valor por meio de Consultoria. Para saber mais, visite o blog ou entre em contato diretamente com ela.

Você pode gostar…

Gestão da demanda
Gestão da demanda por consultoria: o guia definitivo 2022

Gestão da demanda por consultoria: o guia definitivo 2022

Muitos Executivos de Compras dedicam muito tempo e esforço à negociação de preços e tarifas diárias para Serviços de Consultoria. Saem da mesa de negociação com um desconto de 5%, com a sensação de terem cumprido o seu dever. Não se engane. As empresas de consultoria conhecem o jogo. Eles criam o desconto 5% em seus preços. E se você está pedindo...

(mais…)